Blog

Planejamento: quando a informação inspira a criatividade

Por Thais Carolli

Dia desses em uma reunião, após aprovar o projeto apresentado, o cliente me fez a seguinte pergunta: “Mas como você tem todas essas ideias?”.

Como amante do Planejamento, senti a maior felicidade em responder: a principal fonte de inspiração é a vida, é nela que criamos nosso repertório, é ela que nos fornece as oportunidades de observar, aprender e evoluir.  

A vida nos oferece, o tempo todo, uma diversidade incrível, que deve ser percebida e explorada. As ideias para um determinado projeto podem nascer de uma viagem que fazemos, de uma corrida no parque, de um mergulho no mar, de um restaurante legal que você conheceu, daquele trabalho voluntário que te inspira, de um livro que te indicaram, daquele filme que você adora, de um documentário ou um seriado, daquela música que faz seu corpo vibrar e, principalmente, das análises e informações diárias que captamos.

Criatividade é essencial

A criatividade é um valor inerente ao profissional de Publicidade, seja qual for a sua área de atuação. Na agência, temos diversas áreas de negócios e, mesmo com diferentes objetivos, elas atuam em sinergia: Atendimento, Planejamento, Criação, Produção, Mídia, Programação e Arte-final sempre estão em completa sincronicidade.

O que quero dizer com isso é que, por mais que exista um departamento de Criação dentro da agência, ele não é e não pode ser o único responsável pela criatividade no desenho de um projeto ou campanha. Todas as áreas devem ser produtivas e participativas nesse sentido, para auxiliar no processo – sim, porque a criação é um processo que passa por etapas e metodologias até chegar a um resultado final.

Respirando criatividade

O Atendimento tem que ser criativo na condução das reuniões com o cliente, para depois apresentar as informações realmente relevantes à agência. Aliás, é primordial que ele conheça muito bem o cliente para agregar informações que o Marketing não ressaltou, mas que ele entende como expressivo – isso fará toda a diferença no processo de criação.

O profissional de Mídia também precisa ser inventivo em um mundo cada vez mais segmentado. Hoje, ele tem a sua frente um leque de opções que, até então, não fazia parte de sua rotina: além das mídias Impressa, Eletrônica, Out of Home, da Mídia Digital e da Social – que, sim, vieram para incrementar essa realidade – há ainda uma diversidade de possibilidades na chamada Mídia Alternativa, que tem como principal característica a inovação. Nessa infinidade de possibilidades, a criatividade é um imperativo.

Mas e o Planejamento? Por que precisa ser criativo? Planejamento não seria algo sobre simplesmente entender os números?

NÃO!

É claro que nós, profissionais de Planejamento, precisamos compreender números, pesquisas, análises, concorrência, anunciantes, mercado e estratégias. Mas é primordial que entendamos sobre pessoas.

E quando se trata de pessoas, o Planejamento se torna um elo para conduzir o consumidor a uma experiência com a marca. Desta forma o target é analisado sob uma ótica mais ampla: deixa de ser apenas sobre números e passa a considerar pessoas, cada uma com suas particularidades, preferências e desejos.

Repercussão criativa

Acredito que para conduzir um planejamento assertivo, a criatividade tem que reverberar. Somos nós que vamos, seja via briefing ou mesmo no brainstorm, inspirar a Criação a fazer um trabalho embasado, com racional claro e focado nas metas do cliente.

É a Criação que dará o tom artístico e consistente ao transformar a mensagem em layout, mas é o Planejamento, unido à Redação, que dá o primeiro “start”, um direcionamento claro e focado.

E é por tudo isso que o planner precisa ter referências, analisar tendências, entender o comportamento do consumidor e, a partir desses pontos, extrair o que há de melhor de cada item avaliado, transformando em informação relevante, mostrando o que é importante na comunicação da marca e seu impacto, para que se converta no alcance dos objetivos.

Desafio prazeroso

O processo parece complexo, mas não é. Na verdade é um trabalho prazeroso, desafiador e, claro, supercriativo!

Então, nunca se esqueça: para ser criativo é preciso estar desperto e conectado a tudo o que acontece. Seja analisando o mercado, cases, eventos, campanhas, ações em PDV ou em redes sociais, observando a concorrência ou mesmo seguindo empresas que não sejam do segmento em que está atuando. O importante é coletar informações e criar uma vasta base de conhecimento.

E lembre-se: para ser criativo é preciso ampliar sua visão, sair da sua zona de conforto, trabalhar em equipe e, principalmente, desafiar-se a cada novo job.

Thais Carolli

Gerente de Planejamento

Publicitária por formação, com MBA em Marketing Estratégico, há 18 anos no mercado atuando em atendimento e planejamento criativo, com clientes como Dow AgroSciences, Limppano, Abicab, Drogacenter, Rafarillo Calçados e Sindifranca. Na LabCom há mais de 8 anos, acumula ainda experiência como gestora de trade marketing e produtos de bens de consumo na Santa Helena Indústria de Alimentos S.A.